Política
Economia
Clube Entretenimento
Entretenimento
Concursos
Downloads
Giro Indígena

Giro Indígena

Postada em 31/08/2020 ás 17h07 - atualizada em 31/08/2020 ás 15h07
Fonte: Carta Capital

A resistência indígena contra o apagamento da história

A luta dos povos originários pela sua história.
A resistência indígena contra o apagamento da história
Tel Guajajara e Victor Pataxó

Estudantes relatam as lutas, na vida e na universidade, dos povos originários

Por Tel Guajajara e Victor Pataxó

 

 

Pindorama era o nome do Brasil antes da invasão portuguesa. Os povos que aqui viviam tinham a terra como sagrada, longe de doenças e de todos os males, um lugar onde o sagrado e todos os rituais eram feitos.

 

Todos andavam pelo centro da mata e iam até a praia para se utilizar da pesca e bacunhar (pegar) mariscos e frutas. Era uma terra de muitas riquezas e farturas, cuidada por todos que aqui viviam.

Mas o território cheio de riquezas e belezas foi invadido e, com isso, passou a perder a história e o seu povo.

O dia 22 de abril de 1500, que para alguns é a comemoração do “descobrimento do País”, para nós, povos originários, é só mais uma data de “descomemoração” do massacre e da escravização. É, também, o início da grande destruição da nossa mãe natureza, que é o grande elo que temos com nosso Encantado.

Eis a primeira inversão da história contada nas escola: a Pindorama foi criada em cima do sangue de centenas de povos e raízes arrancadas dessas terras.

A Pindorama não era só a terra de Palmeiras, era também o elo que tínhamos com a mata e com toda a terra sagrada que hoje sofre ataques dos descendentes dos mesmos europeus que invadiram nossas terras, nos matando em busca de poder.

Nós, povos originários, viajávamos por todo o País, cuidando das terras, das matas, e sendo guardiões da imensidão verde que aqui existia, esses diversos povos, com diversas culturas, e, que, atualmente, só podem ter como seus 11,6% de 8.514.876 km² do território nacional.

O apagamento da cultura indígena acontece hoje não apenas limitando a terra, mas com o descaso da inserção dos indígenas ao emprego e à educação.

Com a política de cotas, incluindo a reserva de vagas para indígenas, o acesso ao Ensino Superior cresceu mais de 50%. As propostas de orçamento para o 2021 – que se aprovadas vão cortar mais de 180 milhões de reais da assistência estudantil – tendem novamente a criar um abismo na universidade a estudantes que precisam de políticas de permanência para concluir a graduação.

Por isso, alertamos que o processo de colonização acontece até os dias de hoje.

Seguimos como resistência para demarcar, além dos nossos territórios, nossa história, cultura.

Aqui, propomos uma reflexão: qual Brasil você conhece? Como a história dos povos originários é retratada nos seus livros escolares?

 
 

Para analisar esse apagamento histórico, basta olhar para como fomos ‘ensinados’. É válido lembrar que os colonizadores usam todas as ferramentas para apagar a nossa história. Por isso, precisamos estar sempre alinhados a uma educação diferenciada para que possamos desconstruir e garantir uma atenção especial, que historicamente nos foi negada.

Sofremos ainda com essa cicatriz infligida, de povos bárbaros, sem almas e selvagens. O chão que o Brasil foi construído debaixo de sangue e dores é indígena.

Pautar as nossas lutas observando o que foi esse território é o mais importante.

Nesta terra, travamos muitas conquistas e derrotas, mas nenhuma delas fará esquecer de que precisamos estar em todos os espaços possíveis de ocupação, para que consigamos mostrar, de fato, quem somos e como chegamos vivos até aqui.

A luta é urgente, seguiremos (r)existindo aos mais diversos ataques contra nosso povo.

****

Tel Guajajara é estudante de Direito da UFPA (Universidade Federal do Pará)

Victor Pataxó é estudante de Produção em Comunicação e Cultura da UFBA (Universidade Federal da Bahia)

 

*Este artigo foi emitido por Carta Capital em parceria com a UNE (União Nacional dos Estudantes) 

Comentários
Educação
Facebook
Teresina - PI
Atualizado às 05h57
24°
Alguma nebulosidade Máxima: 32° - Mínima: 23°
24°

Sensação

9.2 km/h

Vento

94%

Umidade

Fonte: Climatempo
  • Amarração Hotel (atualizado 31-07)
Instagram
  • banner lateral - 17-11 vem pro parque
Clube Notícias - Piauí, Teresina, Meio Norte, Nordeste, Parnaíba, Picos, Campo Maior, Piripiri, cotidiano, economia, política, saúde, educação e entretenimento
© Copyright 2020 - Clube Notícias - Todos os direitos reservados
desenvolvido por: Site desenvolvido pela Lenium
Envie-nos uma mensagem!WhatsApp