Política
Economia
Esportes
Entretenimento
Concursos
  • Gráfica Sieart
  • Colegio St Marcelina
  • ITTNet
  • Grupo CEV
  • Lumiere
  • Evento Na Praia
  • Governo | Àguas
Postada em 09/09/2019 ás 10h51 - atualizada em 09/09/2019 ás 11h03
Fonte: G1/BBC

Como monitorar o ciclo menstrual ajuda as mulheres no esporte

Compreensão das mudanças vividas pelo corpo feminino tem ajudado a driblar incômodos e a melhorar performance de atletas femininas.
Como monitorar o ciclo menstrual ajuda as mulheres no esporte
Seleção feminina de futebol dos EUA monitorou ciclos menstruais de suas atletas. Foto: Getty Images via Reuters

Uma das estratégias mais bem-sucedidas da seleção de futebol feminino dos EUA para vencer a Copa do Mundo de 2019, em julho passado, foi além dos gramados e do treinamento tradicional: a equipe técnica monitorou os ciclos menstruais das jogadoras, adaptando a eles a carga de treino, a dieta e o controle de sintomas. 

"Acho que foi uma das iniciativas que nos ajudaram a ganhar", afirmou a técnica Dawn Scott ao programa de TV americano Good Morning America.

Para muitos, já era tempo para que essa estratégia ganhasse força no esporte feminino. Diversas atletas de ponta já se queixaram sobre o impacto da menstruação em seus treinos e sua performance.

A tenista britânica Heather Watson, por exemplo, atribuiu sua derrota na primeira rodada do Aberto da Austrália de 2015 a sintomas de seu ciclo menstrual, incluindo tontura e náuseas. A corredora olímpica Eilish McColgan também afirmou, no ano passado, que o mal-estar causado pela menstruação contribuiu para que ela acabasse lesionando seu tendão.

Para atletas olímpicas brasileiras, foi criada na Olimpíada de Londres, em 2012, uma iniciativa que as ajudava a controlar os sintomas da tensão pré-menstrual e da menstruação, como cólicas, dores e sangramento excessivo, com acompanhamento médico e técnicas que incluíam o controle hormonal. Essa assistência ginecológica prosseguiu em 2016. 

Pesquisas de 2016 apontam que mais da metade das atletas mulheres de elite dizem que flutuações hormonais durante o ciclo menstrual atrapalham seu desempenho. Ainda assim, muitas mulheres ainda têm dificuldades ou vergonha em falar sobre o assunto com suas equipes técnicas.

Heather Watson atribuiu sua derrota no Aberto da Austrália em 2015 a dificuldades relacionadas ao ciclo menstrual — Foto: Reuters via BBC
Heather Watson atribuiu sua derrota no Aberto da Austrália em 2015 a dificuldades relacionadas ao ciclo menstrual. Foto: Reuters via BBC

Aplicativos

Atualmente, existem aplicativos que as ajudam a contornar essas dificuldades coletando dados privados das mulheres.

A empresa FitBit, por exemplo, lançou no ano passado um "monitor de saúde feminina" (disponível em português), no qual usuárias anotam as datas da menstruação e os sintomas. "Ao colocar todas as suas informações de saúde e preparo físico em um único espaço e analisar suas tendências de ciclo (hormonal) ao longo do tempo, é possível entender melhor as conexões entre atividade física, sono e sintomas ligados à menstruação", afirma Jennifer Mellor, engenheira da FitBit.

"Todo mundo é diferente no que diz respeito a rendimento físico. Os níveis de energia podem variar durante o ciclo feminino ou podem se manter altos ao longo de todo o mês. Com um monitoramento, usuárias conseguem notar sinais mais claros e personalizados [que as ajudem a] aumentar ou diminuir a intensidade [dos exercícios]."

Outro aplicativo, Clue (disponível em português), também permite o acompanhamento de exercícios e níveis de energia ao longo de seus ciclos. "Ao colocar seus dados de modo consistente no app, usuárias conseguem entender melhor como seu treinamento pode variar em diferentes momentos do ciclo e se ajustar", explica Ida Tin, responsável pelo Clue. 

"Por exemplo, elas podem perceber que alguns dias de altos níveis de energia são melhores para treino de força; e que em outros, em que seu nível de energia está menor que o normal, é melhor se alongar e fazer atividades mais leves.", disse Ida.

O aplicativo FitrWoman vai além ao disponibilizar informações de atletas de elite. Ele foi criado pela corredora e pesquisadora Georgie Bruinvels e pela desenvolvedora de produtos Grainne Conefrey. Ele também monitora a menstruação, sintomas e atividades físicas, com informações sobre nutrição e fisiologia durante cada fase do ciclo e explicações sobre eventuais mudanças no corpo. O aplicativo é usado por atletas de elite, e a própria Bruinvels trabalhou com equipes femininas como as de futebol e natação dos EUA. 

FitrWoman usa informações de atletas de elite para ajudar demais mulheres — Foto: FitrWoman via BBC
FitrWoman usa informações de atletas de elite para ajudar demais mulheres. Foto: FitrWoman via BBC

"Há tempos que o ciclo menstrual é visto como uma barreira ao treino e à performance", diz Richard Burden, médico fisiologista do Instituto Inglês de Esporte (EIS, na sigla em inglês), que atualmente promove uma campanha voltada à saúde de atletas femininas. "Mas se você usar isso a seu favor, há potencial para que as flutuações hormonais sirvam para treinamentos mais específicos e precisos, em vez de simplesmente deixar de treinar."

As flutuações causadas pelo ciclo hormonal podem afetar diversas funções fisiológicas e psicológicas, desde a forma como mulheres se movem e se adaptam ao treinamento, até o modo como elas pensam e se sentem. Assim, o entendimento desses processos em cada atleta ajuda técnicos a otimizar as cargas de treino.

O técnico Jamie Main, que treina uma equipe de natação na Inglaterra, usa há cinco meses um app voltado para treinadores, da desenvolvedora Orreco. O aplicativo compartilha o perfil de atletas (com a permissão delas) para que Main monitore a saúde delas e planeje seu treinamento.

"Logo de cara, o aplicativo normalizou as conversas que eu tenho com as atletas", diz ele. "Isso rompeu um falso tabu em torno do assunto. Pudemos ser mais proativos em adaptar sessões de alta intensidade que não se encaixassem no ciclo de cada uma. Há também momentos em um ciclo em que há chances maiores de lesões - ter mais conhecimento disso nos ajudou a intensificar o trabalho de recuperação e de aquecimento."

O app mostra ainda os momentos do ciclo em que o treinamento das atletas pode ser intensificado.

Emelia Górecka explica que entender seu ciclo a ajudou a contornar problemas de sono — Foto: Getty Images via BBC
Emelia Górecka explica que entender seu ciclo a ajudou a contornar problemas de sono. Foto: Getty Images via BBC

Para a nadadora britânica Mia Slevin, o aplicativo "me diz quais alimentos são importantes de comer em determinados momentos. Se eu não monitorasse meu ciclo, não saberia disso". Por exemplo, há momentos no ciclo em que os níveis de açúcar no sangue da atleta podem estar mais instáveis. O FitrWoman vai, então, recomendar que a atleta inclua proteínas em sua alimentação e faça lanches que incluam carboidratos complexos.

A corredora de média e longa distâncias britânica Emelia Górecka diz que o aplicativo a ajudou a monitorar ciclos de alta perda sanguínea e a adaptar sua carga de treinos a eles.

"Depois de alguns meses, comecei a notar padrões e a relacionar meus sintomas a diferentes aspectos do meu treinamento. O aplicativo me dá dicas e informações sobre as quatro fases do meu ciclo. Por exemplo, meu sono se torna muito tumultuado na quarta fase do meu ciclo, então é algo a que eu tenho que prestar atenção." Para driblar isso, ela passou a comer alimentos ricos em melatonina - como banana - antes de ir dormir.

Embora seja necessário realizar mais pesquisas científicas sobre o tema, o impacto sobre essa tecnologia em mulheres que se exercitam já é notado. "A tecnologia vai ter um grande papel em nos permitir customizar o treinamento para cada indivíduo e para se chegar à diferença de 0,5% a 1% na performance, que é a diferença entre conseguir ou não a medalha de ouro", diz o médico Richard Burden.

Comentários
Saúde
TV Clube Notícias
Facebook
  • newland

Teresina - PI

Obtido às 03:51

25º

Min 22º Max 35º

Alguma nebulosidade

83% 4 km/h Fonte: Climatempo
  • Amarração Hotel
RAPIDINHAS
Postada em 11/05/2018 ás 08h38

O Piauí é um dos estados que apresentaram maior crescimento nos gastos com a previdência de servidores, entre 2005 e 2016. Os dados, divulgados por Estadão, são de um levantamento realizado pelo economista piauiense Raul Velloso. O estudo aponta ainda que neste período, os gastos dos estados - na média - cresceram até 111%, chegando aos R$ 163 bilhões no último ano. Além do Piauí, Sergipe e Santa Catarina também registraram aumentos consideráveis nos gastos com a previdência. Os dados completos do estudo serão apresentados em um fórum nacional nesta quinta-feira (10).

Postada em 09/05/2018 ás 08h26

Não houve acertadores para as seis dezenas do concurso 2.038 da Mega-Sena, realizado nesta noite (8), em Maravilha (SC). As dezenas sorteadas foram: 06 – 25 – 26 – 35 – 38 - 40. O prêmio estimado era de R$ 28 milhões. A estimativa de prêmio do próximo concurso, que ocorre na próxima quinta-feira (10), é distribuir R$ 30 milhões. A Quina teve 28 apostas ganhadoras, e cada um vai levar R$ 65.960,70. Outras 2.768 pessoas ganharam na Quadra, com prêmio de R$ 953,18 para cada.

Postada em 06/03/2018 ás 09h53

Há exatos 5 anos, no dia 6 de março de 2013 morreu o cantor e compositor da banda Charlie Brown Jr, Chorão. Fãs prestam homenagem na Internet ao ídolo.

Postada em 22/02/2018 ás 10h20

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) atualizou, nesta sexta-feira (16/02), os dados do setor de planos de saúde que são disponibilizados para consulta na Sala de Situação. Os números relativos a janeiro confirmam a tendência de estabilidade que vinha sendo observada ao longo de 2017, com leve crescimento tanto no comparativo mensal como no comparativo dos últimos 12 meses. São 47,4 milhões de beneficiários em planos médico-hospitalares no país, 119,5 mil a mais que o número registrado em dezembro e cerca de 64 mil a mais em relação a janeiro do ano passado.

Postada em 22/02/2018 ás 10h19

Com o objetivo de supervisionar e assegurar o exercício legal da profissão, o Conselho Regional de Administração do Piauí (CRA-PI) realizou a fiscalização em 75 empresas no último ano. Ao todo, foram arrecadados mais de R$ 12 mil em multas aplicadas.

Clube Notícias - Piauí, Teresina, Meio Norte, Nordeste, Parnaíba, Picos, Campo Maior, Piripiri, cotidiano, economia, política, saúde, educação e entretenimento
© Copyright 2019 - Clube Notícias - Todos os direitos reservados
desenvolvido por: Site desenvolvido pela Lenium